POLÍTICA DE PRIVACIDADE

16 junho 2019

THE FEMININE RISE

 

Hoje trazemos-te um projeto com muita garra. Layla é Life Coach, Artista e Escritora, comprometida em ajudar as pessoas a tornarem-se a pessoa que mais querem ser. Apresentamos-te um dos seus maiores projetos, “The Feminine Rise”, onde Layla defende que todos nós devemos deixar o nosso lado feminino emergir, sem qualquer estereótipo de gênero, raça ou etnia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

THE FEMININE IS RISING

 

Um alerta para uma revolução planetária - Um movimento pela paz.

 

É hora de restaurar o equilíbrio neste planeta! Vivemos num momento muito poderoso, onde o destino do nosso mundo está a ser decidido.

Para restabelecer o equilíbrio, devemos trazer a energia feminina de volta ao seu lugar de soberania. A humanidade perdeu o seu equilíbrio porque o patriarcado desconectou-nos da metade de quem somos, do nosso lado feminino.

 

Esta curta-metragem, com bailarinos e artistas de todo o mundo, aborda a ascensão do feminino fora do gênero. O feminino dentro de cada um de nós, aspetos humanos que foram suprimidos por milênios, sob o patriarcado e cujo tempo para se erguerem, surge agora!

 

O nosso mundo está completamente fora de equilíbrio, nós esquecemo-nos de como viver em paz, como tolerar a diferença, como ter compaixão, como confiar no fluxo da vida. Nós esquecemo-nos de usar a nossa intuição, de dar valor ao amor e de cuidar da nossa Mãe Natureza.

 

Nós esquecemo-nos de como "ser" e somos completamente obcecados pelo "fazer".

 

Quando falamos em energia feminina, estamos a referir-nos às qualidades associadas à polaridade feminina, como a compaixão, a inclusão, a nutrição, o fluxo, a intuição, o cuidado. A energia masculina é direcionada, focada, direta, estruturada e intencional e é essencial e necessária quando em equilíbrio.

A vertente feminina representa o estado de ser, enquanto que o masculino representa o estado de fazer, e só o equilíbrio de ambos é que traz paz e harmonia.

Estas energias manifestam-se no nosso planeta e dentro de nós, independentemente do nosso gênero, e agora, temos a oportunidade de realmente entender isso.

 

Podemos ultrapassar a batalha individual de egos, deixar de lado a discussão sem sentido, sobre de quem é a culpa por toda esta confusão e trabalhar juntos para construir uma realidade melhor para toda a família humana.

 

Podemos pousar as armas no chão e reconhecer que, para sermos seres humanos por inteiro, devemos abraçar todo o nosso ser. A ascensão do feminino é um chamamento para uma revolução planetária, um movimento de despertar humano que ocorre dentro de cada indivíduo.

 

Este movimento visa inspirar o coletivo a incorporar o nosso potencial humano, trazendo-nos de volta ao fortalecimento e à liberdade pessoal, permitindo que a metade de nós que foi suprimida aumente e se expresse.

 

Este foi o manifesto apresentado por Layla sobre todo o projeto.

Nem sempre tudo correu como esperado. Nem sempre Layla sonhou que este projeto seria também uma viagem muito pessoal para ela mesma e para com o seu passado com o lado masculino. Queres saber como tudo começou?

Apresentamos-te agora um pouco da história por detrás desta maravilhosa mensagem.

 

A História por detrás do Filme RISE

by Layla El Khadri (Writter & Director)

 

A história por trás deste vídeo é uma das maiores histórias de amor da minha vida.

Há mais de um ano atrás, conheci uma mulher muito inspiradora que iria mudar a minha vida com a presença dela: Monique Wilson, a diretora global da One Billion Rising.

Ela ficou profundamente impressionada pela forma como as mulheres do meu colectivo artístico MUSE, estavam a usar a arte como uma ferramenta para a transformação pessoal e inspiração coletiva.

Conectamos e a partir daí, nasceu uma colaboração criativa: fazer um video para apoiar a missão ativista e revolucionária da OBR: acabar com a violência contra mulheres e jovens no mundo.

 

A própria viagem de criação desta peça iria levar, pessoalmente, a uma viagem de reconexão com minha própria energia feminina. Eu precisava de voltar a aprender sobre confiança, apurar a minha intuição e definitivamente cultivar a minha própria compaixão para dar à luz este bebê artístico. Mas acima de tudo, eu tive que aprender o poder verdadeiro de mulheres a apoiar mulheres, o poder da irmandade e colaboração.

 

Muitas vezes senti que este esforço, era demasiado difícil para mim e que o mundo não estava pronto para receber esta mensagem. Mesmo quando eu estava prestes a sair, prestes a ligar para Monique e devolver todos os fundos, duas mulheres incríveis entraram na minha vida, enviadas por uma Deusa, para se tornarem as  inspirações criativas deste bebê, que tinha sido criado para nascer neste mundo.

Estas mulheres são a Maria Teresa Chavez e a Seraina Duveen: ambas de maneiras únicas e refinadas, tornaram o RISE possível.

Maria tornou-se completamente dedicada ao movimento #artasmedicine, que nos bastidores, torna esta performance possível e com um significado impactante. Ela tornou-se um apoio extremamente leal para a empresa e para a produção do documentário sobre esta metodologia de trabalho.

 

#ArtasMedicine é uma estrutura que cria espaços onde os artistas usam a sua própria vida, traumas, dor e prazer para criar arte comovente, épica, que poderá inspirar milhões de pessoas.

Seraina Duveen tornou-se as asas da produção cinematográfica, ajudando a guiar a equipa de artistas através da jornada criativa, passando da ideia ao vídeo épico que criamos.

Elas não me permitiram abandonar um sonho que era, na verdade, muito maior do que eu: o sonho de usar a arte como uma ferramenta de transformação pessoal e inspiração coletiva. Em breve, faremos o lançando do documentário #artasmedicine.

 

Faltava ainda encaixar uma última peça: o masculino ainda não fazia parte deste projeto. Eu ainda não tinha encontrado um cineasta que tivesse os padrões que eu estava a imaginar.

Foi então que, Gianluca Fellini apareceu, não apenas como um profissional de vídeo épico, mas também como o homem que trouxe esta questão para a mesa:

 

- “Querida, o teu projeto é profundo, mas estás a deixar de fora metade do problema e metade da solução... se queres inspirar a humanidade a acabar com a violência e a restaurar o equilíbrio, precisas que os homens façam parte do RISE!

 

Esta frase atingiu-me completamente! Era absolutamente verdade e eu precisava chamar os “irmãos” (sexo masculino).

Chamar homens para o projeto aterrorizava-me de inúmeras maneiras porque eu nunca tinha coordenado uma companhia de artistas que incluísse homens e também porque eu mesma tinha as minhas feridas com o masculino.

Eu disse a mim mesma: “se quiseres dar uma mensagem de equilíbrio e inspirar a energia feminina a erguer-se no mundo, tu TENS que incorporar esse equilíbrio!”

Foi então que abri o meu coração, ganhei humildade e chamei os homens para participarem.

 

Não tenho palavras suficientes para descrever o quão surpreendentes eles foram. Artistas, criadores da mudança e seres humanos épicos disseram que sim sem sequer pestanejarem e chegaram então ao estúdio para trabalhar com uma equipa de mulheres.

A presença deles, a paciência, a compreensão e a partilha honesta e vulnerável, foi superior a qualquer possível expectativa minha. Eles juntaram-se a um processo que estava a decorrer há meses e deram-lhe um significado muito mais profundo, numa questão de semanas.

 

Agora, tanto Homens como Mulheres, estavam prontos para incorporar o erguer-se do Feminino.

O resto foi “fácil”. Colocamos câmaras, voamos drones, preparamos cavalos e rezamos para que a chuva tropical de Bali nos permitisse filmar...

Esta peça vai para o mundo, juntamente com as nossas mais profundas orações, para que a Humanidade esteja pronta para entender a mensagem que queremos dar:

 

Nós viemos para mudar um estado de espírito chamado patriarcado em um estado de ser chamado de unidade.

Nós curamos o planeta, tornando-nos a solução

Em todas as terras

Sob qualquer religião

De todas as culturas

De todas as cores

Estamos subindo na inclusão

Com uma intenção comum:

deixar o amor vencer toda e qualquer batalha.

O Feminino está presente dentro de cada um de nós, deixa-o erguer-se!

 

Layla El Khadri

The Feminine Rise

 

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

16 junho 2019

THE FEMININE RISE

 

Hoje trazemos-te um projeto com muita garra. Layla é Life Coach, Artista e Escritora, comprometida em ajudar as pessoas a tornarem-se a pessoa que mais querem ser. Apresentamos-te um dos seus maiores projetos, “The Feminine Rise”, onde Layla defende que todos nós devemos deixar o nosso lado feminino emergir, sem qualquer estereótipo de gênero, raça ou etnia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

THE FEMININE IS RISING

 

Um alerta para uma revolução planetária - Um movimento pela paz.

 

É hora de restaurar o equilíbrio neste planeta! Vivemos num momento muito poderoso, onde o destino do nosso mundo está a ser decidido.

Para restabelecer o equilíbrio, devemos trazer a energia feminina de volta ao seu lugar de soberania. A humanidade perdeu o seu equilíbrio porque o patriarcado desconectou-nos da metade de quem somos, do nosso lado feminino.

 

Esta curta-metragem, com bailarinos e artistas de todo o mundo, aborda a ascensão do feminino fora do gênero. O feminino dentro de cada um de nós, aspetos humanos que foram suprimidos por milênios, sob o patriarcado e cujo tempo para se erguerem, surge agora!

 

O nosso mundo está completamente fora de equilíbrio, nós esquecemo-nos de como viver em paz, como tolerar a diferença, como ter compaixão, como confiar no fluxo da vida. Nós esquecemo-nos de usar a nossa intuição, de dar valor ao amor e de cuidar da nossa Mãe Natureza.

 

Nós esquecemo-nos de como "ser" e somos completamente obcecados pelo "fazer".

 

Quando falamos em energia feminina, estamos a referir-nos às qualidades associadas à polaridade feminina, como a compaixão, a inclusão, a nutrição, o fluxo, a intuição, o cuidado. A energia masculina é direcionada, focada, direta, estruturada e intencional e é essencial e necessária quando em equilíbrio.

A vertente feminina representa o estado de ser, enquanto que o masculino representa o estado de fazer, e só o equilíbrio de ambos é que traz paz e harmonia.

Estas energias manifestam-se no nosso planeta e dentro de nós, independentemente do nosso gênero, e agora, temos a oportunidade de realmente entender isso.

 

Podemos ultrapassar a batalha individual de egos, deixar de lado a discussão sem sentido, sobre de quem é a culpa por toda esta confusão e trabalhar juntos para construir uma realidade melhor para toda a família humana.

 

Podemos pousar as armas no chão e reconhecer que, para sermos seres humanos por inteiro, devemos abraçar todo o nosso ser. A ascensão do feminino é um chamamento para uma revolução planetária, um movimento de despertar humano que ocorre dentro de cada indivíduo.

 

Este movimento visa inspirar o coletivo a incorporar o nosso potencial humano, trazendo-nos de volta ao fortalecimento e à liberdade pessoal, permitindo que a metade de nós que foi suprimida aumente e se expresse.

 

Este foi o manifesto apresentado por Layla sobre todo o projeto.

Nem sempre tudo correu como esperado. Nem sempre Layla sonhou que este projeto seria também uma viagem muito pessoal para ela mesma e para com o seu passado com o lado masculino. Queres saber como tudo começou?

Apresentamos-te agora um pouco da história por detrás desta maravilhosa mensagem.

 

 

A História por detrás do Filme RISE

by Layla El Khadri (Writter & Director)

 

A história por trás deste vídeo é uma das maiores histórias de amor da minha vida.

Há mais de um ano atrás, conheci uma mulher muito inspiradora que iria mudar a minha vida com a presença dela: Monique Wilson, a diretora global da One Billion Rising.

Ela ficou profundamente impressionada pela forma como as mulheres do meu colectivo artístico MUSE, estavam a usar a arte como uma ferramenta para a transformação pessoal e inspiração coletiva.

Conectamos e a partir daí, nasceu uma colaboração criativa: fazer um video para apoiar a missão ativista e revolucionária da OBR: acabar com a violência contra mulheres e jovens no mundo.

 

A própria viagem de criação desta peça iria levar, pessoalmente, a uma viagem de reconexão com minha própria energia feminina. Eu precisava de voltar a aprender sobre confiança, apurar a minha intuição e definitivamente cultivar a minha própria compaixão para dar à luz este bebê artístico. Mas acima de tudo, eu tive que aprender o poder verdadeiro de mulheres a apoiar mulheres, o poder da irmandade e colaboração.

 

Muitas vezes senti que este esforço, era demasiado difícil para mim e que o mundo não estava pronto para receber esta mensagem. Mesmo quando eu estava prestes a sair, prestes a ligar para Monique e devolver todos os fundos, duas mulheres incríveis entraram na minha vida, enviadas por uma Deusa, para se tornarem as  inspirações criativas deste bebê, que tinha sido criado para nascer neste mundo.

Estas mulheres são a Maria Teresa Chavez e a Seraina Duveen: ambas de maneiras únicas e refinadas, tornaram o RISE possível.

Maria tornou-se completamente dedicada ao movimento #artasmedicine, que nos bastidores, torna esta performance possível e com um significado impactante. Ela tornou-se um apoio extremamente leal para a empresa e para a produção do documentário sobre esta metodologia de trabalho.

 

#ArtasMedicine é uma estrutura que cria espaços onde os artistas usam a sua própria vida, traumas, dor e prazer para criar arte comovente, épica, que poderá inspirar milhões de pessoas.

Seraina Duveen tornou-se as asas da produção cinematográfica, ajudando a guiar a equipa de artistas através da jornada criativa, passando da ideia ao vídeo épico que criamos.

Elas não me permitiram abandonar um sonho que era, na verdade, muito maior do que eu: o sonho de usar a arte como uma ferramenta de transformação pessoal e inspiração coletiva. Em breve, faremos o lançando do documentário #artasmedicine.

 

Faltava ainda encaixar uma última peça: o masculino ainda não fazia parte deste projeto. Eu ainda não tinha encontrado um cineasta que tivesse os padrões que eu estava a imaginar.

Foi então que, Gianluca Fellini apareceu, não apenas como um profissional de vídeo épico, mas também como o homem que trouxe esta questão para a mesa:

 

- “Querida, o teu projeto é profundo, mas estás a deixar de fora metade do problema e metade da solução... se queres inspirar a humanidade a acabar com a violência e a restaurar o equilíbrio, precisas que os homens façam parte do RISE!

 

Esta frase atingiu-me completamente! Era absolutamente verdade e eu precisava chamar os “irmãos” (sexo masculino).

Chamar homens para o projeto aterrorizava-me de inúmeras maneiras porque eu nunca tinha coordenado uma companhia de artistas que incluísse homens e também porque eu mesma tinha as minhas feridas com o masculino.

Eu disse a mim mesma: “se quiseres dar uma mensagem de equilíbrio e inspirar a energia feminina a erguer-se no mundo, tu TENS que incorporar esse equilíbrio!”

Foi então que abri o meu coração, ganhei humildade e chamei os homens para participarem.

 

Não tenho palavras suficientes para descrever o quão surpreendentes eles foram. Artistas, criadores da mudança e seres humanos épicos disseram que sim sem sequer pestanejarem e chegaram então ao estúdio para trabalhar com uma equipa de mulheres.

A presença deles, a paciência, a compreensão e a partilha honesta e vulnerável, foi superior a qualquer possível expectativa minha. Eles juntaram-se a um processo que estava a decorrer há meses e deram-lhe um significado muito mais profundo, numa questão de semanas.

 

Agora, tanto Homens como Mulheres, estavam prontos para incorporar o erguer-se do Feminino.

O resto foi “fácil”. Colocamos câmaras, voamos drones, preparamos cavalos e rezamos para que a chuva tropical de Bali nos permitisse filmar...

Esta peça vai para o mundo, juntamente com as nossas mais profundas orações, para que a Humanidade esteja pronta para entender a mensagem que queremos dar:

 

Nós viemos para mudar um estado de espírito chamado patriarcado em um estado de ser chamado de unidade.

Nós curamos o planeta, tornando-nos a solução

Em todas as terras

Sob qualquer religião

De todas as culturas

De todas as cores

Estamos subindo na inclusão

Com uma intenção comum:

deixar o amor vencer toda e qualquer batalha.

O Feminino está presente dentro de cada um de nós, deixa-o erguer-se!

 

Layla El Khadri

The Feminine Rise

 

POLÍTICA DE

PRIVACIDADE

16 junho 2019

THE FEMININE RISE

 

Hoje trazemos-te um projeto com muita garra. Layla é Life Coach, Artista e Escritora, comprometida em ajudar as pessoas a tornarem-se a pessoa que mais querem ser. Apresentamos-te um dos seus maiores projetos, “The Feminine Rise”, onde Layla defende que todos nós devemos deixar o nosso lado feminino emergir, sem qualquer estereótipo de gênero, raça ou etnia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

THE FEMININE IS RISING

 

Um alerta para uma revolução planetária - Um movimento pela paz.

 

É hora de restaurar o equilíbrio neste planeta! Vivemos num momento muito poderoso, onde o destino do nosso mundo está a ser decidido.

Para restabelecer o equilíbrio, devemos trazer a energia feminina de volta ao seu lugar de soberania. A humanidade perdeu o seu equilíbrio porque o patriarcado desconectou-nos da metade de quem somos, do nosso lado feminino.

 

Esta curta-metragem, com bailarinos e artistas de todo o mundo, aborda a ascensão do feminino fora do gênero. O feminino dentro de cada um de nós, aspetos humanos que foram suprimidos por milênios, sob o patriarcado e cujo tempo para se erguerem, surge agora!

 

O nosso mundo está completamente fora de equilíbrio, nós esquecemo-nos de como viver em paz, como tolerar a diferença, como ter compaixão, como confiar no fluxo da vida. Nós esquecemo-nos de usar a nossa intuição, de dar valor ao amor e de cuidar da nossa Mãe Natureza.

 

Nós esquecemo-nos de como "ser" e somos completamente obcecados pelo "fazer".

 

Quando falamos em energia feminina, estamos a referir-nos às qualidades associadas à polaridade feminina, como a compaixão, a inclusão, a nutrição, o fluxo, a intuição, o cuidado. A energia masculina é direcionada, focada, direta, estruturada e intencional e é essencial e necessária quando em equilíbrio.

A vertente feminina representa o estado de ser, enquanto que o masculino representa o estado de fazer, e só o equilíbrio de ambos é que traz paz e harmonia.

Estas energias manifestam-se no nosso planeta e dentro de nós, independentemente do nosso gênero, e agora, temos a oportunidade de realmente entender isso.

 

Podemos ultrapassar a batalha individual de egos, deixar de lado a discussão sem sentido, sobre de quem é a culpa por toda esta confusão e trabalhar juntos para construir uma realidade melhor para toda a família humana.

 

Podemos pousar as armas no chão e reconhecer que, para sermos seres humanos por inteiro, devemos abraçar todo o nosso ser. A ascensão do feminino é um chamamento para uma revolução planetária, um movimento de despertar humano que ocorre dentro de cada indivíduo.

 

Este movimento visa inspirar o coletivo a incorporar o nosso potencial humano, trazendo-nos de volta ao fortalecimento e à liberdade pessoal, permitindo que a metade de nós que foi suprimida aumente e se expresse.

 

Este foi o manifesto apresentado por Layla sobre todo o projeto.

Nem sempre tudo correu como esperado. Nem sempre Layla sonhou que este projeto seria também uma viagem muito pessoal para ela mesma e para com o seu passado com o lado masculino. Queres saber como tudo começou?

Apresentamos-te agora um pouco da história por detrás desta maravilhosa mensagem.

 

 

A História por detrás do Filme RISE

by Layla El Khadri (Writter & Director)

 

A história por trás deste vídeo é uma das maiores histórias de amor da minha vida.

Há mais de um ano atrás, conheci uma mulher muito inspiradora que iria mudar a minha vida com a presença dela: Monique Wilson, a diretora global da One Billion Rising.

Ela ficou profundamente impressionada pela forma como as mulheres do meu colectivo artístico MUSE, estavam a usar a arte como uma ferramenta para a transformação pessoal e inspiração coletiva.

Conectamos e a partir daí, nasceu uma colaboração criativa: fazer um video para apoiar a missão ativista e revolucionária da OBR: acabar com a violência contra mulheres e jovens no mundo.

 

A própria viagem de criação desta peça iria levar, pessoalmente, a uma viagem de reconexão com minha própria energia feminina. Eu precisava de voltar a aprender sobre confiança, apurar a minha intuição e definitivamente cultivar a minha própria compaixão para dar à luz este bebê artístico. Mas acima de tudo, eu tive que aprender o poder verdadeiro de mulheres a apoiar mulheres, o poder da irmandade e colaboração.

 

Muitas vezes senti que este esforço, era demasiado difícil para mim e que o mundo não estava pronto para receber esta mensagem. Mesmo quando eu estava prestes a sair, prestes a ligar para Monique e devolver todos os fundos, duas mulheres incríveis entraram na minha vida, enviadas por uma Deusa, para se tornarem as  inspirações criativas deste bebê, que tinha sido criado para nascer neste mundo.

Estas mulheres são a Maria Teresa Chavez e a Seraina Duveen: ambas de maneiras únicas e refinadas, tornaram o RISE possível.

Maria tornou-se completamente dedicada ao movimento #artasmedicine, que nos bastidores, torna esta performance possível e com um significado impactante. Ela tornou-se um apoio extremamente leal para a empresa e para a produção do documentário sobre esta metodologia de trabalho.

 

#ArtasMedicine é uma estrutura que cria espaços onde os artistas usam a sua própria vida, traumas, dor e prazer para criar arte comovente, épica, que poderá inspirar milhões de pessoas.

Seraina Duveen tornou-se as asas da produção cinematográfica, ajudando a guiar a equipa de artistas através da jornada criativa, passando da ideia ao vídeo épico que criamos.

Elas não me permitiram abandonar um sonho que era, na verdade, muito maior do que eu: o sonho de usar a arte como uma ferramenta de transformação pessoal e inspiração coletiva. Em breve, faremos o lançando do documentário #artasmedicine.

 

Faltava ainda encaixar uma última peça: o masculino ainda não fazia parte deste projeto. Eu ainda não tinha encontrado um cineasta que tivesse os padrões que eu estava a imaginar.

Foi então que, Gianluca Fellini apareceu, não apenas como um profissional de vídeo épico, mas também como o homem que trouxe esta questão para a mesa:

 

- “Querida, o teu projeto é profundo, mas estás a deixar de fora metade do problema e metade da solução... se queres inspirar a humanidade a acabar com a violência e a restaurar o equilíbrio, precisas que os homens façam parte do RISE!

 

Esta frase atingiu-me completamente! Era absolutamente verdade e eu precisava chamar os “irmãos” (sexo masculino).

Chamar homens para o projeto aterrorizava-me de inúmeras maneiras porque eu nunca tinha coordenado uma companhia de artistas que incluísse homens e também porque eu mesma tinha as minhas feridas com o masculino.

Eu disse a mim mesma: “se quiseres dar uma mensagem de equilíbrio e inspirar a energia feminina a erguer-se no mundo, tu TENS que incorporar esse equilíbrio!”

Foi então que abri o meu coração, ganhei humildade e chamei os homens para participarem.

 

Não tenho palavras suficientes para descrever o quão surpreendentes eles foram. Artistas, criadores da mudança e seres humanos épicos disseram que sim sem sequer pestanejarem e chegaram então ao estúdio para trabalhar com uma equipa de mulheres.

A presença deles, a paciência, a compreensão e a partilha honesta e vulnerável, foi superior a qualquer possível expectativa minha. Eles juntaram-se a um processo que estava a decorrer há meses e deram-lhe um significado muito mais profundo, numa questão de semanas.

 

Agora, tanto Homens como Mulheres, estavam prontos para incorporar o erguer-se do Feminino.

O resto foi “fácil”. Colocamos câmaras, voamos drones, preparamos cavalos e rezamos para que a chuva tropical de Bali nos permitisse filmar...

Esta peça vai para o mundo, juntamente com as nossas mais profundas orações, para que a Humanidade esteja pronta para entender a mensagem que queremos dar:

 

Nós viemos para mudar um estado de espírito chamado patriarcado em um estado de ser chamado de unidade.

Nós curamos o planeta, tornando-nos a solução

Em todas as terras

Sob qualquer religião

De todas as culturas

De todas as cores

Estamos subindo na inclusão

Com uma intenção comum:

deixar o amor vencer toda e qualquer batalha.

O Feminino está presente dentro de cada um de nós, deixa-o erguer-se!

 

Layla El Khadri

The Feminine Rise

ENG